(19) 2106.0266 vendas@pirai.com.br

Adubação verde no controle de nematoides

Diminuição de pragas, doenças e nematoides fitoparasitos, esses são alguns dos benefícios da rotação de culturas com adubos verdes para os cultivos comerciais.
Dessa forma, a não utilização da rotação de culturas gera redução da produtividade e consequentemente um aumento do custo de produção, pela necessidade do uso frequente de defensivos agrícolas químicos.

Estudos e a prática já comprovam a necessidade da rotação de culturas com plantas não hospedeiras de nematoides – que são organismos microscópicos vermiformes que atacam as raízes e delas retiram os nutrientes necessários para o desenvolvimento.

Devido ao parasitismo no sistema radicular, é muito comum que os sintomas ocasionados por esses parasitas sejam confundidos com outros fatores, principalmente com deficiência nutricional. 

 

 

CASOS

Conheça os casos de quem aumentou sua produtividade e controlou os nematoides.

José Sumio Hayakawa, produtor de mandioca nas proximidades da cidade do Gama/DF, começou sua história no campo aos 15 anos de idade, plantando hortaliças junto com o pai. Já lidou com outras culturas, como cenoura e batata inglesa. Conheceu a adubação verde (Mucuna-preta) por meio de uma publicação anual de uma revista do segmento do agronegócio, embora já tenha realizado a adubação verde quando cultivava morangos, há cerca de 35 anos.

Utiliza a Mucuna-preta desde os anos 2000 e é cliente direto da Piraí há três anos, na sua cultura de mandioca (correspondente hoje à aproximadamente, seis hectares).  “Hoje, tenho 25 hectares em rotação de cultura com a Mucuna e pretendo no final do ano, expandir a plantação de mandioca para atender melhor a demanda”, afirma Hayakawa que atualmente colhe 16 ton/mês e vende o produto descascado ou embalado. Segundo o Sr. Hawakaya, o uso da Mucuna-preta como adubo verde proporcionou uma cultura mais resistente às doenças e o aumento da produtividade: de 300 caixas/hectare para 1.600 caixas/hectare.

Quando perguntado do por que Fazer Adubação Verde, ele é categórico: “A adubação verde, principalmente no Cerrado, é indispensável. Sem a adubação verde é inviável sobreviver na agricultura”.

José Sumio Hayakawa
Produtor de mandiocas

Pablo Rafael M.Pessoa e Roberto Porfírio Pessoa são proprietários da Fazenda Três Corações, localizada na cidade paraibana de Alhandra. Eles entraram em contato conosco pelo Instagram para partilharem seu testemunho sobre os benefícios da adubação verde em sua lavoura, no caso a cana-de-açúcar.

Há 4 anos eles iniciaram a incorporação da adubação verde na cultura, fazendo a rotação com o objetivo de enriquecer o solo para a posterior cultura comercial.

Pablo registrou o momento da área de Crotalária-juncea com 70 dias após o plantio. “Estamos satisfeitos e todos os anos procuramos uma área que esteja precisando mais da ajuda da adubação verde. E o grande benefício é o aumento de produtividade da cana-de-açúcar”, declara Pablo.

Pablo Rafael M.Pessoa
Produtor de cana-de-açúcar

Joílson Ribeiro produz majoritariamente abacaxi em sua propriedade localizada no município carioca de São João da Barra. Ultimamente decidiu diversificar a produção, escolhendo como lavouras alternativas o quiabo e o maxixe. Para tanto, preparou o solo utilizando a adubação verde.

A leguminosa escolhida foi a Crotalária-juncea, devido sua grande produção de massa verde e sua excelente cobertura de solo, servindo como uma capa protetora contra a força dos ventos, evitando o ressecamento do solo, protegendo também contra a radiação solar e ajudando no combate aos nematoides. A escolha foi uma indicação de Cid Retameiro, técnico executor do Programa Rio Rural.

Faz sete meses que adotei a adubação verde na minha plantação. Observei que na cultura do quiabo após o corte (incorporação), o legume apresentou melhor qualidade, aspecto mais saudável. Já na cultura do maxixe, a adubação verde protegeu-a dos efeitos do vento e da excessiva exposição ao sol. Percebo os resultados indo além da minha lavoura, já que outros produtores da região estão se animando a adotar a adubação verde, após presenciarem os meus resultados. Posso dizer, com certeza, que recomendo a adubação verde. É um ótimo negócio para a lavoura”, afirmou Joílson.

Joílson Ribeiro
Produtor de abacaxi

Valdemar Lauro da Silva é um produtor de cebolas com propriedade localizada em Alfredo Wagner, Santa Catarina. Sua história com a adubação verde começou há mais de 25 anos por meio da orientação de técnicos da Epagri. Desde então, muitas espécies foram testadas até o ciclo produtivo ser consolidado em 2008.

Este ciclo tem início no final da última safra comercial, utilizando o milheto ou o capim-doce. Em maio o azevém é plantado e fica no campo até a sua maturação no início de novembro. Nesse período a crotalária-ochroleuca é cultivada e roçada no início de abril, abrindo espaço para a implantação de aveia-preta. Por fim, em julho, ocorre a dessecação da aveia e o plantio da cebola.

Como benefícios da adubação verde seu Valdemar pontua a melhoria da qualidade do solo: sua aparência, textura e nos nutrientes em geral. Além disso, a produtividade aumentou de 6 a 8 toneladas por hectares, para 30 toneladas nos últimos anos, sendo que a população de plantas fica em torno de 250 a 260 mil plantas por hectare.

“Se observarmos o solo na natureza, veremos que ele possui um ciclo. Na agricultura não seria diferente. A adubação verde, por sua vez, é a maneira mais parecida de realizar esse ciclo natural, cuidando de um bem tão vital que é a terra”, ele afirma.

Valdemar Lauro da Silva
Produtor de cebolas

Soja

Soja

Milho

Milho

Girassol

Girassol

Feijão

Feijão

Algodão

Algodão

Cana-de-Açúcar

Cana-de-Açúcar